Horizonte de Palavras

Porque escrever é olhar além…

“Pássaro da Noite” em Brasília, Luana Piovani com as focas

por Érica Teles e Liz Mendes.
O céu de Brasília na última sexta-feira era digno de qualquer aquarela de Saint-Exupéry e seu Pequeno Príncipe. A entrada e todo o percurso dentro do Teatro Nacional só fazia lembrar o de uma certa Alice perdida. Era exatamente sexta-feira a noite, como seria lembrado diversas vezes por uma certa passarinha.

No palco, quase nada. Luz e ela. Quem dedicou uma hora de sua vida naquela noite para, simplesmente, ouvir uma história, se surpreendeu. Ali naquele palco foram mostradas diversas histórias. A sua, a minha, a daquela mulher que você encontra na fila do supermercado ou no ponto de ônibus. A eterna busca por algo que nem se sabe direito o que é. Uma procura externa de algo que está em seu interior.

E, quem melhor que Luana Piovani, para mostrar isso? Entre suas mil e uma faces, escondem-se e são revelados anseios e desesperos de uma mulher solitária, que não tem medo de julgamentos.

 

A peça “Pássaro da Noite” traz aos palcos uma Luana contrastante com a que pode ser vista hoje nos cinemas em “A Mulher Invísivel”. A “passarinha”, como a atriz prefere se referir à sua personagem, fala coisas que todos passam, sentem e vêem mas que, raramente, comentam. Seus vícios, seus sentimentos, suas paixões, seus “pudores sem pudor”, seu imaginário fértil.

O texto de José Antônio de Souza, dirigido po Marcus Alvisi, ficará em Brasília até domingo, dia 21/06. É ele quem leva todos a refletirem enquanto riem, se envergonham ou se identificam. O que terá acontecido com ela? Quem será ela? O que ela quer? E, na verdade, essas perguntas irão acompanhar os mais atentos e se modificar dentro deles. Serão as responsáveis pelas noites de insônia e indagações quase filosóficas que acontecerão com essas pessoas.

Afinal, estaria ela em uma bad trip ou “apenas” morta? Em coma alcólico ou meio cega e divagante? É difícil dizer, e a própria Luana gosta de instigar quem chega até ela.

Nas cochias

Luana Piovani está em cartaz em Brasília nos dias 19, 20 e 21 de junho com a peça "Pássaro da Noite".  Imagem: Fábio Motta.

Luana Piovani está em cartaz em Brasília nos dias 19, 20 e 21 de junho com a peça "Pássaro da Noite". Imagem: Fábio Motta.

 

A entrevista foi breve porém calorosa. Piovani era só sorrisos a todos que cruzavam seu caminho. Encaminhada pela produtora veio até nós questionando se havíamos assistido à peça e o que tinhamos achado. Era impossível deixar de sorrir. Sua beleza não cabia em seus olhos, seu sorriso e seus um metro e tanto de altura. Mesmo assim não houve intimidação.

Entre um gole e outro de sua água de côco (sem gelo!), falou de teatro, cinema, futuro, passado e projetos. Ressaltou sua paixão pelo teatro, pela diversidade de personagens que entram e saem de sua vida, de poder ser uma pessoa diferente a cada espetáculo, a cada texto. “Eu acho o teatro muito generoso, porque a caixa do teatro é mágica. Assim, eu posso fazer um menino… Quando eu fiz “Alice” [no País das Maravilhas], lembro que uma vez me perguntaram ‘Mas como é que você vai fazer a Alice? Você é a pessoa mais alta do seu elenco!’, e eu falei: ‘Justamente porque a caixa do teatro me dá essa possibilidade’ “, conta Piovani.

A atriz aproveitou pra adiantar, também, que no próximo ano estará com a peça “O soldadinho e a bailarina”. Para todo ator a rotatividade de personagens é praxe, mas nem por isso é menos difícil. “É sempre uma sensação de estar abandonando um filho. Quando um projeto estréia, é como se você tivesse parido. Na hora de dizer tchau pra ele é muito doloroso, mas como sempre tem um outro bebê pra nascer, uma coisa acaba valendo a outra”, explica a atriz.

“Pássaro da Noite” estará em turnê pelo Brasil até setembro, pelo menos (a última data presente no site da produtora é 13/09), então a atriz ainda terá tempo de curtir seu filhote. Fora isso, os fãs ainda podem esperar: esse ano estão para serem lançados mais dois filmes com a atriz. “Insônia”, de Beto Souza e “Família vende tudo”, de Alain Fresnot.

20/06/2009 Posted by | Multiplicidade | , , , , , , | 3 Comentários

Perfeição Invisível

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

 

Todo mundo sonha com a metade da laranja, alguém que o complete e o faça feliz. Já imaginou ter uma pessoa assim ao seu lado? Tudo seria azul, exceto se sua alma gêmea fosse invisível para todo o resto do mundo! Essa é a sina de Pedro (Selton Mello) que acaba “encontrando” Amanda (Luana Piovanni) a parceira perfeita, que lava, passa, cozinha, é linda e adora sexo; tão idealizada por vários homens. 

A Mulher Invisível, direção de Claudio Torres, mostra com muito humor,o que uma pessoa que sofre com uma decepção amorosa pode fazer com o poder da mente. O longa metragem brasileiro já é um dos maiores sucessos do momento (mais de 800 mil pessoas já viram) com apenas duas semanas de exibição. Conta com um elenco que faz sucesso no humor, como Vladimir Brichta, que interpreta Carlos, o amigo pé no chão de Pedro, e Fernanda Torres como Lúcia, irmã da apaixonada Vitória (Maria Manoella).

Pedro é traído pela esposa e abandonado. A partir daí, entra numa fase de depressão e recolhimento, até que uma bela vizinha bate à sua porta pedindo uma xícara de açúcar. Tudo poderia ser normal, a não ser pelo fato da loira perfeita ser fruto de sua própria imaginação. Começa então uma bela e engraçada “história de amor” entre ele e sua amada, que ninguém vê nem ouve.

Ele nunca percebeu que bem ao lado de seu apartamento morava Vitória, uma mulher infeliz com a vida conjugal, que fica viúva e, dessa forma, passa a sonhar cada dia mais com ele. A história é carregada de humor e romantismo, deixando o público ansioso em relação ao final do filme, o rumo da vida amorosa do rapaz e se ele enfim notará quem o ama de verdade.

 
Assim como na ficção, às vezes deixamos de perceber o que realmente importa, quem de verdade se preocupa conosco e nos quer bem. Talvez não percebamos por estarmos mais preocupados em idealizar um par perfeito, esquecendo de viver a realidade, mesmo que essa não seja tão bela.
O filme é uma ótima pedida e desculpa pra levar aquela pessoa que você está afim e dizer:  “Então, vai ficar de lenga-lenga ou me notar de uma vez por todas?” Haha… Comédias românticas servem para isso, baby! Pipoca, risadas e romantismo. O resto fica por conta da imaginação de cada um. Mas cuidado com essa imaginação! Ela tem poderes incríveis…

16/06/2009 Posted by | Opinião | , , , | 1 Comentário