Horizonte de Palavras

Porque escrever é olhar além…

E na sua tristeza, sorria!

Dias de chuva sempre nos fazem pensar mais, seja em pessoas ou coisas cotidianas ( não que essas pessoas não sejam cotidianas), seja em sentimentos ou palavras proferidas. Hoje tentei achar uma ligação entre pensar, sentir e ouvir e acabei me deparando com um vídeo que mostra tudo. A música “Smile” de Charles Chaplin possui uma letra bonita e encorajadora, que tenta te mostrar motivos para simplesmente sorrir.

Então lembrei de outro fato: já se passaram 2 meses sem o astro pop Michael Jackson, que faz uma falta danada. O mundo perdeu um pouco do brilho. Acho que ninguém vai criar mais nada na música como ele criou.  A canção ficou ainda mais bela na voz de MJ. Eureca! Consegui juntar tudo, Chaplin + Michael Jackson + pensar, sentir e ouvir.

Deu nisso!

SORRIA
Sorria, embora seu coração esteja doendo
Sorria, mesmo que ele esteja partido
Quando há nuvens no céu
Você sobreviverá…

Se você apenas sorri
Com seu medo e tristeza
Sorria e talvez amanhã

Você descobrirá que a vida ainda vale a pena se você apenas…

Ilumine sua face com alegria
Esconda todo rastro de tristeza
Embora uma lágrima possa estar tão próxima
Este é o momento que você tem que continuar tentando
Sorria, pra que serve o choro?
Você descobrirá que a vida ainda vale a pena
Se você apenas…

Se você sorri
Com seu medo e tristeza
Sorria e talvez amanhã
Você descobrirá que a vida ainda vale a pena
Se você apenas Sorrir…

Este é o momento que você tem que continuar tentando
Sorria, pra que serve o choro?
Você descobrirá que a vida ainda vale a pena
Se você apenas Sorrir

Anúncios

25/08/2009 Posted by | Pensadores: Poesia da Vida | , , , , , , | Deixe um comentário

Adeus ao Rei do Pop

Um astro vai embora para sempre, mas deixa sua marca e luz no coração de muitos fãs.
Foi com tristeza e desconsolo que milhões de pessoas deram adeus na última quinta-feira (25) ao rei do pop, Michael Jackson, que morreu em Los Angeles aos 50 anos.

O pequeno garotinho que aos 6 anos já emocionava com sua bela voz no grupo The Jackson Five, construiu uma carreira esplendorosa e ao mesmo tempo, muito polêmica.
Em 1972 lançou seu primeiro álbum solo “Got to be there”. Começava então uma trajetória de sucesso, tornando-o um recordista de vendas e público em suas apresentações.

Michael Jackson em apresentação de "Billy Jean". Imagem: Divulgação Internet

Quem nunca ouviu “Thriller” e se assustou com a risada maléfica de Vicent Prince ao final? Ou então dançou (ou arriscou imitar) os passinhos ousados de Jackson em “Billy Jean”? Querendo ou não, todos nós já tivemos um momento marcado pelas canções do pop star.

Ele “causou” demais durante sua vida, seja pelas metamorfoses constantes e muitas vezes bizarras pelas quais passava, seja pelos escândalos que marcaram sua conturbada vida pessoal. Parece que ele nunca deixou de ser uma criança, e por mais que o tempo passasse, queria continuar vivendo em sua “Neverland”.

O que permanece na memória de muitos (prefiro me encaixar nesse grupo) são os momentos “showman” de Jackson. Suas inovadoras e desafiantes coreografias, shows fantásticos e suas boas ações sociais (ele ajudou milhares de crianças carentes e famintas pelo mundo) serão sempre lembradas. Como não desejar um mundo melhor ouvindo ”Heal the World”?

Nos despedimos de um ícone, mas guardamos o que ficou de bom. Ousadia era seu sobrenome e saudade é o lema de hoje. E tenho certeza, o céu agora está mais pop do que nunca.

26/06/2009 Posted by | Multiplicidade | , , , , , , | 3 Comentários